Notícias

Sérgio Lobo deixará em definitivo a diretoria da ANTT em fevereiro

ANTT
Mandato de Lobo se encerra em fevereiro de 2019. Ele teria direito a uma recondução, mas afirmou que vai se aposentar – Crédito: Geraldo Magela/Agência Senado

O diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Sérgio de Assis Lobo, informou ao JOTA que deixará em definitivo sua cadeira em fevereiro. Pelas regras vigentes, ele poderia ser reconduzido ao cargo mais uma vez, por outros quatro anos. Porém, disse que não pretende pleitear isso com o novo governo. “Sem chances [de recondução]. Não quero”.

Perguntado sobre o que pretende fazer depois de terminar seu mandato, disse que “o que ocorre agora é a minha aposentadoria, 65 anos”. O diretor da ANTT, que é engenheiro civil e pós-graduado em administração de empresas, trabalha há quatro décadas com a área de transportes rodoviário, ferroviário e fluvial. Também foi diretor de planejamento da empresa pública Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S/A. Lá, foi responsável pela área de projetos, estudos, tecnologia da informação e orçamento institucional.

O cargo de diretor da ANTT é escolhido pelo Presidente da República e submetido à sabatina no Senado. Perguntado sobre quem poderia ser indicado para substituí-lo, Lobo disse que essa é “uma questão política, é uma indicação do governo. O governo novo é quem decide [o substituto]. Tem que perguntar para o [Jair] Bolsonaro [presidente eleito]”.

Sérgio Lobo é o diretor que responde por ferrovias JOTA+Full+List&utm_campaign=14497a3b4c-EMAIL_CAMPAIGN_2018_06_22_07_18_COPY_01&utm_medium=email&utm_term=0_5e71fd639b-14497a3b4c-380478761″>de acordo com o regime de diretorias temáticas adotado recentemente pela agência.

Novo diretor

A confirmação de que Sérgio Lobo deixará a diretoria em definitivo abre boatos sobre quem será o seu substituto quando Jair Bolsonaro tomar posse.

Ainda não há nenhum nome indicado. A expectativa dentro da ANTT, contudo, é que um militar seja indicado para ocupar o posto. Como será o primeiro nome do novo governo, espera-se também que o indicado seja declarado diretor-geral em substituição ao atual, Mário Rodrigues.

A agência possui cinco diretores no total. O mandato de Sérgio Lobo termina em 2019. Mais dois mandatos acabam em 2020 (Elisabeth Braga e Mário Rodrigues), Marcelo Vinaud (2021) e Weber Ciloni (2022). Ao final do governo Bolsonaro, todos os diretores da autarquia terão sido trocados (ou reconduzidos).